Open Source, não é sobre tecnologia!

Na década de 40, com a II guerra mundial em curso, Von Neuwmann impressionava a equipa de Harvard que realizavam trabalhos com Mark I para cálculos militares. Sua principal característica era as qualidades colaborativas e rebeldia da época, em que Neuwmann considerava que ninguém poderia reivindicar proprietário de nenhum conceito, ou seja, os conceitos deveriam ser amplamente utilizados em prol da inovação. Neuwmann fez um relevante trabalho na criação dos fundamentos da programação, pouco desenvolvida desde às ideias de Ada Lovelace que descreveu os passos para que a Máquina Analítica (de Charles Babbage) gerasse números de Bernoulli. 

Os primeiros computadores (como o Mark I, ENIAC, etc, etc) tinham objetivos militares, no entanto a junção de duas culturas (hackers e rebeldia de alguns empresários) foram fundamentais para propagação da ideia dos computadores pessoais e videojogos. 

O primeiro videojogo, Spacewar (1946), talvez tenha sido o 1º projeto de código aberto e que permitiu que fossem acrescentadas melhorias por outros programadores, por exemplo: Dan Edwards introduziu o conceito da força gravitacional, com a ideia de um sol que atraía as naves; Peter Samson acrescentou a posição de todas as estrelas (até magnitude 5), trazendo maior realismo, ao invés de pontos aleatórios.  

Nolan Bushnell, que era estudante de ciência da computação na década de 60 e fã do Spacewar, tornou a invenção em uma indústria, Bushnell fundou a Atari (1972), e foi o 1º jogo Pong e deve seu sucesso pela combinação de uma interface simples e mecânica de jogo intuitiva. 

Spacewar a esquerda, e Pong a direita

Em 1975, ocorre a primeira reunião do Homebrew Computer Club, fundado por notáveis como Fred Moore (criador da Lei de Moore) e Steve Wozniak (co-fundador da Apple). Talvez tenha sido o grupo organizado que congregava hackers, hippies e empresários que transformaram novas ideias em indústrias. 

Bill Gates e Paul Allen tinham a perceção que a indústria de software não existia, e de facto não existia, o foco era a evolução do hardware. Em 1975 Bill e Paul criaram a Micro-soft, renomeada para Microsoft dois anos depois. O principal produto era o BASIC para o computador Altair. 

Bill era defensor da proteção de patentes, e quando percebeu que existia cópias indiscriminadas de fitas BASIC nas reuniões da Homebrew escreveu uma carta com o título, em português: “Carta Aberta a Amadores”. 

Steve Jobs retirou algumas lições que mais tarde criou toda uma indústria. Jobs percebeu na Atari as combinações de interfaces acessíveis, intuitivas (ao ponto de não exigir um manual de instruções). Steve Wozniak, que trabalhva na HP, partilhava momentos com Jobs na Atari à noite para jogarem e trocarem ideias. Anos mais tarde, criaram a Apple. 

Em 1983, quando a Apple estava prestes a lançar o Macintosh e a Microsoft anunciava o Windows, nascia um movimento encabeçado por Richard Stallman, que acreditava que o software devia ser criado colaborativamente e livremente partilhado. Logo de início, houve um erro de interpretação que talvez dura até hoje, Stallman se referia que o software deveria ter o se código aberto e não que deveriam ser gratuitos.  

Stallman criou uma licença pública (GLP/GNU), que permitia que todos poderiam executar, copiar e modificar softwares que tivessem sob esta licença. Linus Torvalds decidiu lançar o Linux sob a licença GLP/GNU pois acreditava que se os programadores de todo o mundo colocassem a mão no código-fonte abriria caminho a um esforço colaborativo aberto e que tornaria o Linux ainda mais impressionante. Linus estava certo e provocou uma avalanche de colaboração voluntária, tornando-se o modelo de produção partilhada que impulsionou a era digital, o Linux passou a ser o sistema operativo mais utilizado no mundo. 

Este modelo colaborativo voluntário mostra a força do trabalho colaborativo, com algumas características importantes:  

  • a criatividade é um processo colaborativo, a inovação teve maior incidência a partir de equipas, do que apenas de uma cabeça. O Twitter por exemplo, foi inventado por trabalho de uma equipa de pessoas que eram ao mesmo tempo colaborativas e conflituosas; 
  • expansão da ideia apresentadas pelas gerações anteriores. Steve Jobs baseou-se no trabalho de Alan Kay, que criou a ideia do Mapas de Bits quando trabalhava na Xerox, e que Steve e Bill utilizaram deste conhecimento; 
  • a pluralidade de conhecimento, as equipas mais produtivas foram aquelas que juntaram pessoas de várias especialidades, os laboratórios Bells foram o melhor exemplo. 

Toda a história da computação que conhecemos até a data, teve como base pessoas, equipas e líderes que conseguiram combinar paixão e inovação e criaram indústrias, hábitos e utilização em massa. Estamos ainda no início da década e talvez nunca tivemos tanta tecnologia, métodos e pessoas com as capacidades na área de tecnologia. 

O movimento Open Source para mim é mais que código aberto ou software gratuito, é uma maneira eficiente de trabalho, que cria soluções inovadoras com base na colaboração de pessoas motivadas. Para mim, o melhor do Open Source é a comunidade, as pessoas. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s